R Á D I O   A Z U L 

Quem foi Raquel Prado?

16 MAR 2014
16 de Março de 2014

Nesses tempos em que as mulheres vem galhardamente ocupando seu lugar na sociedade, nada mais justo que lembremos daquelas que lutaram não só pelo reconhecimento das condições de igualdade, mas principalmente por terem desempenhado nessa mesma sociedade um papel muito maior do que habitualmente estamos acostumados a ver.

Este sem dúvida é o caso de Virgília Stella da Silva Cruz ou Rachel Prado, pseudônimo pelo qual ficou nacionalmente conhecida. Nascida em Curitiba em 20 de março de 1891, era filha de Joaquim Antônio da Silva, fundador de nosso tradicional periódico A República e de Maria Eufrásia da Silva. Muito cedo demonstrou que herdara de seu genitor o pendor para o jornalismo, iniciando aos 14 anos uma carreira sem precedentes para uma mulher de sua época.

Em 1909, aos 18 anos, acompanhou sua família de mudança para o Rio de Janeiro. Muito embora na então capital da República a mulher também sofresse restrições, a fartura de órgãos de comunicação foi um campo fértil para as suas aspirações progressistas. Autodidata e extremamente perspicaz, adquiriu sólida cultura humanística graças a sua incansável curiosidade. Dinâmica e ativa, exerceu diversas atividades voltadas à população menos favorecida com sentimento de civismo e dedicação fora do comum, deixando em tudo a marca indelével de sua personalidade.

Como líder feminista, foi uma guerreira leal, consciente e sem excessos, como bem demonstra seu ensaio “A mulher e o feminismo”, quando afirma: “Sou feminista entusiasta. Mas o meu feminismo não ultrapassa as barreiras do possível, nem se perde em loucas fantasias. Acho que a mulher deve pugnar pelos seus direitos sob um ponto de vista ponderado, sem anular os fins nobres a que se destina, como parte componente da humanidade”. (Luz de Krótona - n.º 2 abril/1925).

Mas foi em congressos internacionais que suas teses obtiveram maior sucesso, conquistando para a mulher uma situação de dignidade e respeito. Promoveu inúmeras campanhas, dentre as quais merecem destaque as de alfabetização, amparo aos cegos, divulgação dos cursos de Enfermagem da Cruz Vermelha e da Escola Ana Nery, educação sexual, Casa do Jornaleiro, Assistência à Maternidade, proteção às árvores e de reflorestamento.

Como literata participou ativamente de instituições como Associação Brasileira de Imprensa, Instituto Brasileiro de Cultura, Academia Juvenal Galeno, Clube das Mulheres Jornalistas e Sociedade de Homens de Letras do Brasil.

De maneira excepcional, dedicou sua atenção aos internos em presídios, causa pela qual realizou uma verdadeira cruzada, procurando estudar as razões que levam um indivíduo a praticar um ilícito penal e as possibilidades de sua reintegração na sociedade. Por muitos anos visitou presídios e reformatórios, levando conforto e auxílio, chegando mesmo a conseguir a liberdade para muitos que estavam presos por equivoco da Justiça.

Mas foi pelos menores delinqüentes que fez tudo ao seu alcance, visitando favelas e bairros pobres do Rio de Janeiro, prestou inestimáveis serviços ao Juizado de Menores, apontando as condições precárias de higiene e alimentação como a principal causa da revolta entre os jovens. Para os menores internos, e normalmente em condições subhumanas, pleiteou que os reformatórios tivessem um aspecto mais humano, e até mesmo familiar, sendo imperioso afastá-los do convívio com criminosos adultos.

Essa sua esperança pela recuperação dos internos em presídios e reformatórios está bem retratada no seu artigo “Centelha Divina”: ... A voz do meu silêncio medita em torno do solitário e triste ser humano que sofre... Falo com o amor que me desperta aquele que se extravia, exalto-lhe com o poder da persuasão o quanto vale a sua amarga experiência, digo-lhe da esperança, exulto-lhe a coragem, a ânsia de vencer, de se redimir... e o homem triste e abandonado, encoraja-se, ergue o busto alquebrado, ele que só olhava a terra dos caminhos, levanta os olhos e contempla as estrelas. No seu coração torturado algo se lhe desperta, é o otimismo que como um sol primaveril renasce dentro da sua solidão para iluminar-lhe a estrada nova que se esboça ao longe...” (Marinha - n.º 39 - dezembro/1940).

No campo empresarial organizou o primeiro curso de Jornalismo Profissional e uma Agência de Publicidade e Propaganda. Não satisfeita, em 1934 fundava também a Empresa Editora Rovaró, lançando concursos cujo prêmio consistia na editoração da obra premiada. Essa editora publicou também dezenas de obras de grande valor intelectual, dentre as quais destaque para O cerco da Lapa e seus heróis de nosso conterrâneo David Carneiro.

Contrastando com sua personalidade dinâmica e ativa, possuía contudo uma alma serena e contemplativa. Extremamente espiritualizada, participou ativamente da Ordem Teosófica, dedicando muitas de suas crônicas e livros ao teosofismo e a Annie Besant, sua fundadora.

Embora tenha voltado uma única vez ao Paraná (1932) depois de sua transferência para o Rio de Janeiro, sempre esteve ligada ao que aqui acontecia freqüentando o Centro Paranaense do Rio de Janeiro. Sua colaboração aos jornais de Curitiba e Paranaguá eram constantes e não foram poucas as vezes que manifestou: “É sempre com saudade muito intensa que eu penso no meu Paraná distante...” ou “Ah! que saudade da infância e da minha terra. Tudo tão ingênuo e tão simples...” (Marinha - n.º 17 fevereiro/1939).

Jornalista de largos recursos, labutou intensamente na imprensa, seus trabalhos foram publicados em centenas de periódicos como: A Manhã, Correio da Manhã, Diário Carioca, Fom Fom, Ilustração Brasileira, Jornal das Letras, Jornal do Brasil, Mundo Infantil, O Cruzeiro, O Globo, O Imparcial, O Lyrio, O Malho, O Tico-Tico, Revista da Semana, Eu sei tudo e Senhorita no Rio de Janeiro e A República, Cinema, Corrreio do Paraná, Correio dos Ferroviários, Diário da Tarde, Gazeta do Povo, Luz de Krótona, Marinha e O Dia no Paraná.

Escritora de reconhecidos méritos, publicou: A Educação à Luz da Teosofia, Annie Besant (biografia), Apólogos (infantil), Arlequim (teatro infantil), Contos Fantásticos (infantil), Contos Primaveris, Cousas Esparsas (crônicas), Diário de um menino (infantil), Educando e Brincando (infantil), Inocência (infantil em colaboração com Moacir Silva), Júlio e Júlia (romance), Lemúria e Atlântida, Livro das Cores, Meu livro de histórias (infantil), Meu tesouro (infantil), Mulher da nova época (romance), Na Corte do Rei Arthur (infantil), No meu caminho (romance), Nossas Lendas (infantil), Carrossel (infantil), Um filho de Israel (romance), Viagem e Livro da Saudade, este último uma homenagem póstuma à Viscondessa de Sande.

Foi também crítica de arte, delineando páginas brilhantes, analisando ponderadamente obras literárias e pictóricas, produções musicais, sendo sincera na apreciação e pródiga no elogio.

Com todas essas atividades, ainda encontrava tempo para ser uma mãe dedicada e carinhosa, sempre tratando seus filhos com muita doçura e carinhos infinitos. Após ver seus filhos criados e bem situados na vida, confessava constantemente que: “Tudo que sou, devo ao grande amor que tenho aos meus filhos, que foram o meu melhor estímulo para lutar e vencer”.

Rachel Prado nunca se acovardou diante dos desafios que enfrentava, tirava do fundo de sua alma as forças que necessitava para enfrentar o mundo, mundo que muito lhe exigia e pouco lhe dava em troca. Foi uma lutadora, suas reivindicações exigem até hoje um estudo sério, ponderado e criterioso.

Mas os lutadores também tombam. Os esforços despendidos em suas inúmeras atividades consumiram sua saúde. Vencida pela tísica, em 25 de dezembro de 1943, aos cinqüenta e dois anos ela partia serenamente, consciente de ter deixado um exemplo digno para a posteridade.

Em 1953, o Centro Paranaense Feminino de Cultura e o Centro de Letras do Paraná instituíram a “Semana Rachel Prado”, oportunidade em que foram promovidas palestras e inaugurada uma placa na rua que leva o seu nome. Lamentavelmente essa promoção não voltou mais a se repetir, o que hoje torna Rachel Prado uma paranaense quase esquecida.


Autor: Carlos Alberto Brantes - foi escritor e membro do Instituto Histórico e
Geográfico do Paraná.
Voltar